Deputados aprovam Moção de Apoio ao dr. José Wanderley e lamentam fechamento do IDC da Santa Casa

por Comunicação/ALE publicado 19/06/2018 18h40, última modificação 19/06/2018 18h36

Durante a sessão ordinária desta terça-feira, 19, o plenário da Assembleia Legislativa aprovou uma moção de apoio ao médico cardiologista, José Wanderley Neto e uma moção de repúdio à diretoria da Santa Casa de Maceió pelo fechamento do Instituto de Doenças do Coração. As moções são de autoria do deputado Galba Novaes (MDB). Da tribuna da Casa, o parlamentar justificou a iniciativa. “É muito triste a sociedade ver a forma como foi tratado o Dr. Wanderley, um médico com uma história brilhante, que mesmo exercendo cargo eletivo (foi vice-governador do Estado), nunca deixou de fazer aquilo que escolheu como profissão, a medicina”, argumentou Galba, destacando o reconhecimento nacional e internacional atribuído ao cardiologista.

Novaes seguiu o pronunciamento criticando a medida tomada pela Santa Casa e enaltecendo as qualidades de José Wanderley Neto. “A atitude tomada pela Santa Casa é uma coisa que nos deixa tristes. Um cirurgião competente, uma pessoa de uma relação humana fantástica, e ter sido retirado depois de 45 anos de trabalho e dedicação ao hospital”, argumentou Novaes, informando que, na condição de presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, encaminhará ofício à Santa Casa lamentando o que chamou de “ato desumano” ao fechar o Instituto do Coração.

Em aparte, vários deputados se manifestaram em apoio ao médico José Wanderley Neto. Sem entrar no mérito sobre o que ocasionou o afastamento do médico, o deputado Antonio Albuquerque (PTB), reforçou o posicionamento de Galba Novaes. “Um cidadão, que no exercício do cargo de governador para prestar serviços sobretudo a pessoas menos favorecidas no aspecto financeiro”, observou.

Outro que se solidarizou ao médico foi o deputado Isnaldo Bulhões (MDB). “Um homem que tem dedicado a sua vida a prestar serviços à sociedade alagoana e brasileira, seja no seu comportamento e caminho profissional, seja no seu comportamento humano ou político partidário”, disse.

Na mesma linha de raciocínio, o deputado Ricardo Nezinho (MDB) declarou seu total apoio às moções e pediu para subscrevê-las. Ele destacou as qualidades e atividades realizadas por José Wanderley Neto. Assim como os demais, o deputado Francisco Tenório (PMN), lamentou o ocorrido e sugeriu “ao Governo do Estado que aproveite a construção do Hospital Metropolitano de Maceió e construa uma ala para abrigar o Instituto do Coração e o Dr. José Wanderley Neto, cirurgião respeitado em todo o Brasil, para que ele possa continuar seus atendimentos a população alagoana”.

Também em aparte, o deputado Rodrigo Cunha (PSDB) reconheceu os méritos do médico. “O dr. Wanderley saiu na vanguarda também quando começou a tratar dos corações das crianças também, repercuto aqui o que venho ouvindo desde o início da semana, que o dr. Wanderley é homem que, além de se doar como médico, quer fazer mais por seu Estado e participa ativamente da política alagoana”, ressaltou. A deputada Jó Pereira, também em aparte, se solidarizou com o dr. José Wanderley e mostrou preocupação com o setor de oncologia da Santa Casa de Maceió.

A moção de repúdio à direção da Santa Casa de Misericórdia de Maceió foi aprovada com as abstenções dos deputados Francisco Tenório, Antonio Albuquerque, Rodrigo Cunha e Bruno Toledo (Pros).

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.