Deputadas se reúnem com ministra da mulher para pedir apoio à Casa da Mulher Alagoana

por Comunicação/ALE publicado 11/07/2019 15h20, última modificação 12/07/2019 13h04

As deputadas estaduais Flávia Cavalcante, Fátima Canuto e Ângela Garrote estiveram em Brasília reunidas com a secretária adjunta da mulher, Rosinha da Adefal, para mostrar o interesse que os Poderes Judiciário, Executivo e Legislativo têm de implantar em Maceió a Casa da Mulher Alagoana, que será inspirada no projeto Casa da Mulher Brasileira, que funciona em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, local visitado pelas parlamentares.

Ainda na capital federal, elas participaram também de uma reunião com a senadora Renilde Bulhões e a ministra Damares Alves, com o objetivo de acelerar a implantação da casa de apoio às mulheres vítimas de violência no Estado. A ministra se comprometeu em dar prioridade a Alagoas, depois de escutar o relato das parlamentares sobre a necessidade de mais segurança às mulheres que denunciam seu agressor.

De acordo com Flávia Cavalcante, o juizado da mulher em Maceió já possui uma estrutura que inclui os atendimentos psicossocial bem como do Ministério Público de Alagoas e da Defensoria Pública Estadual. “A vinda a Brasília foi para tentar conseguir apoio do governo federal para a construção da Casa da Mulher Alagoana, adaptando os serviços à nossa realidade ”, disse a parlamentar.

Fátima Canuto reforçou a importância da Casa da Mulher para Alagoas e disse que a reunião foi muito produtiva, já que a ministra Damares pensa em alguns projetos para o Estado. “O projeto que queremos implantar em Alagoas é no enfrentamento da violência doméstica. As mulheres vão ter - em um lugar só - atendimento psicossocial, Juizado, Defensoria Pública, Delegacia da Mulher, Patrulha Maria da Penha, entre outros. Será muito importante para o empoderamento das mulheres vítimas de violência”, afirmou a deputada.

A deputada estadual Ângela Garrote destacou a necessidade da bancada feminina estar unida neste propósito. “Sabemos que a violência doméstica é um mal social e, como mulheres, nós queremos cuidar daquelas que sofrem agressão, seja ela verbal ou física. Essa Casa de acolhimento é mais um instrumento que as mulheres alagoanas poderão contar para denunciar os seus agressores”, comentou.

Outros projetos

Além da Casa da Mulher Alagoana, a ministra Damares pontuou para as deputadas que existem outros projetos voltados para o Estado, a exemplo de um abrigo diurno para acolhimento de idosos. Fátima Canuto destacou que é extremamente importante esse abrigo. “Sabemos que a violência contra o idoso também é uma realidade e que muitos estão abandonados, precisando de cuidado e acolhimento”, analisou.

Flavia Cavalcante disse que o abrigo para idosos é sinônimo de carinho e zelo com quem já trabalhou ao longo de uma vida e que acaba sendo abandonado por seus familiares. “Este também é um tipo de violência e nós enxergamos diariamente muitos idosos morando nas ruas. Recebê-los em um lugar onde possam ter um mínimo de conforto é minimizar o sofrimento”, comentou.

Ângela Garrote comemora a iniciativa da ministra. “É muito bom ver que a ministra tem olhado pelo nosso pequeno Estado que tem um povo sofrido e que precisa de cuidados”, finalizou.

Por assessoria

error while rendering plone.comments